Leis trabalhistas

Novas leis trabalhistas e vida financeira.

Como todo mundo já sabe as novas leis trabalhistas entraram em vigor, e com elas, uma série de mudanças no tocante a contemplação das garantias pós contrato de trabalho. Por mais que modalidades como a oficialização do home office, o trabalho intermitente e a demissão com acordo, a priori, soem como uma grande novidade, o trabalhador doravante deverá ter mais cautela no tocante a sua vida financeira pessoa.

As demissões trabalhistas ganharam novas flexibilidades, como explicado de forma bem didática no site do UOL. O portal diz que: O contrato de trabalho poderá ser extinto se houver acordo entre funcionário e patrão (complemento – ou entre patrão e funcionário).

O que o empregado receberá: 20% da multa do FGTS, metade do aviso prévio, direito ao saque de 80% do saldo do FGTS. O empregado não receberá o Seguro-desemprego.

O trabalho intermitente, que apesar de hoje não haver uma lei que permita a contratação sem horários fixos, traz, realmente, uma nova possiblidade para criação de empregos, porém, o trabalhador precisa entender bem esse tipo de regime, porque, o trabalho intermitente, não contempla benefícios como o seguro-desemprego pós rescisão contratual de trabalho.

O trabalhador contratado na modalidade “trabalho intermitente”, receberá no final de cada período de prestação de serviço:

– Remuneração;

– Férias proporcionais com acréscimo de 1/3;

– 13º Salário proporcional;

– Repouso semanal remunerado;

– Adicionais legais;

Porém, não gozarão de seguro-desemprego por rescindir o contrato de trabalho.

Por isso, a criação de reservas financeiras, uma nova postura na gestão das finanças pessoais e um novo jeito de administrar e pensar o dinheiro deverá ser adotada por parte dos trabalhadores no Brasil. Com essa perspectiva é salutar a obrigatoriedade de um planejamento para um consumo sustentável e saudável para todos.

Ter um novo comportamento financeiro, e a criação de uma consciência poupadora será indispensável na vida daqueles que se submeterem as novas contratações.

Autor: Fábio Mesquita Torres

Fonte: Uol – https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2017/07/15/demitido-com-acordo-perde-seguro-desemprego-e-ganha-metade-da-multa-do-fgts.htm