A força da mulher na literatura 

O espetáculo surge a partir do sentido de atriz-criadora, a peça é um solo da atriz, diretora e dramaturga, Maria Vitória. A montagem transita entre o teatro, o teatro de bonecos, a dança e a música. Esses elementos não interagem de forma estanque, formam uma unidade, entrelaçam-se e se confundem a todo instante.  

Uma boneca representa o duplo da personagem/escritora que está em cena. A boneca é da técnica do boneco geminado: esta técnica de manipulação parte do princípio da simbiose do ator com boneco, resultando desse processo personagens compostos por dois elementos: as artes plásticas e o humano. Tal hibridização forma uma inteireza, um terceiro corpo. A boneca também dança, a ideia é que não existam fronteiras entre o teatro, a dança e o teatro de bonecos.  

O espetáculo está em constante construção, durante as apresentações há uma interrupção para um diálogo direto com a plateia, assim, a cada peça são agregados mais elementos oriundos desses diálogos. Além disso, a peça conta também com uma dramaturgia musical que não apenas faz um desenho sonoro, mas busca novas significações para o espetáculo, significações e imagens que somente a música poderia trazer. A criação da dramaturgia musical é assinada por Gustavo Portela e executada em cena pelo próprio Gustavo e pelo músico multi-instrumentista Rami Freitas.  

 Duplicité_04.06.17_Cláudia Rodrigues_DSC06119

Conheça Maria Vitória

Maria Vitória se dedica ao fazer artístico desde a década de 1990. Seus últimos trabalhos foram: Tudo ao Mesmo Tempo Agora (peça de teatro e dança na qual atua, dirige e assina o texto que foi premiado no Edital de Dramaturgia Feminina da Secretaria de Cultura de Fortaleza); Frei Tito – Vida , Paixão e Morte (espetáculo teatral no qual participa como atriz, através desse trabalho de atriz recebeu o Prêmio Ceará em Cena de melhor atriz de 2014/2015); Asja Lacis já não me escreve (peça teatral na qual assina o texto e a direção); Além, Aquém Daqui (direção e orientação dramatúrgica a convite da Escola Porto Iracema das Artes/2017). 

Desde o ano de 2003 investiga possíveis treinamentos para o ator-criador e atualmente desenvolve uma pesquisa a partir do diálogo entre teatro, dança e teatro de bonecos. É graduada em Letras-Português-Francês (UFC) e mestra em Artes Cênicas (UFBA). Os resultados de suas pesquisas são compartilhados através dos grupos com os quais teve ou tem contato, por via de cursos e oficinas de teatro, trabalhos acadêmicos e através de seus espetáculos teatrais. Durante mais de duas décadas, Maria Vitória, vem se dedicando de forma ininterrupta ao fazer artístico. Sempre em uma atitude de resistência de ter a arte como única atividade profissional. 

Ficha técnica: 

Criação: Maria Vitória 

Consultoria: Graça Freitas 

Direção musical: Gustavo Portela 

Multi-instrumentista: Rami Freitas 

Iluminador: Fábio Oliveira 

Contrarregra: Lívian Mendes 

Captação de imagens: Cláudia Rodrigues 

Preparação vocal: Priscila Ribeiro 

 

 

Serviço 

Local: Teatro Dragão do Mar. 

Datas/horários:  11, 18 e 25 (sextas-feiras) de maio às 20h. 

Ingressos: R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia).