Jovem aprendiz do Hapvida é exemplo de sucesso em difícil cenário para os jovens brasileiros

Cerca de 11 milhões de jovens brasileiros, entre 19 e 25 anos, não estudam e nem trabalham. É o que aponta o estudo divulgado em março, pelo Banco Mundial. O relatório apresenta um mapeamento do trabalho na juventude do Brasil e identifica um fenômeno que os economistas chamam de “desengajamento juvenil”. Hoje cerca de 25 milhões de brasileiros, o que representa mais da metade dos jovens, apresentam algum risco de desengajamento. A Jovem Aprendiz do setor de Marketing Hapvida, Fabiana Medeiros Silva, está na contramão deste fenômeno, mesmo com as dificuldades que se apresentaram na sua adolescência.

Panamericano_timeline_1904

Fabiana é natural do interior de São Benedito-CE e é a caçula de uma família de agricultores formada por 8 filhos. Os irmãos mais velhos foram todos em busca de melhores oportunidades em São Paulo. Já Fabiana decidiu tentar a sorte não muito longe, mesmo tendo que se mudar para Fortaleza na busca por uma carreira e deixar a família na sua cidade natal. Aos 17 anos, passou a morar com sua tia em Fortaleza. Quando fez o Enem, conquistou pelo Prouni uma bolsa de 100% em uma faculdade de Administração.

Com os estudos encaminhados, Fabiana passou logo a buscar oportunidades de emprego, e por meio do programa Jovem Aprendiz ingressou no setor de Marketing do Hapvida. Ela realiza atividades da parte financeira e na prestação de contas do setor. Para Fabiana, a oportunidade de trabalhar em uma grande empresa tem sido importante para seu desenvolvimento profissional. “O trabalho aqui ajudou a conquistar minha independência e conhecer melhor mundo corporativo, eu não tinha ideia de como certas atividades são importantes para as empresas”, afirma.

A analista de Marketing, Tatiane Freire, que supervisiona as atividades de Fabiana, destaca as qualidades da jovem aprendiz. “Ela é responsável, assídua, chegou aqui cheia de sonhos e agora está conquistando seu espaço”, ressalta a colega.

Com 18 anos e há 12 meses na empresa, Fabiana já almeja novas conquistas, como, por exemplo, um cargo de chefia. “Imagina sentar na cadeira da chefe! Ser gerente… doutora”, ri, e ainda aconselha àqueles que querem iniciar a carreira cedo, com um “não desista!”. Segundo ela, as coisas podem se tornar realidade “num passe de mágica”.

Enquanto que o relatório do Banco Mundial destaca que o Brasil corre o risco de perder uma geração inteira para o fenômeno do desengajamento juvenil, em consequência do desinteresse dos jovens pelos estudos e pelo trabalho, Fabiana, desde cedo, mostra consciência sobre a importância do trabalho na sua vida: “o trabalho é fundamental. É uma porta que se abre para quem deseja crescer”, resume ela.