Até 30 de julho, companhia recebe inscrições de empresas interessadas, pelo site edp.com.br/piee

A EDP, empresa que atua em todos os segmentos do setor elétrico no País, vai disponibilizar R$ 60 milhões para companhias dos setores industrial, comercial e de serviços que queiram modernizar seus sistemas de iluminação, climatização, refrigeração, ar comprimido ou motores elétricos. O chamado Programa de Investimentos em Eficiência Energética (PIEE) vai selecionar projetos de eficiência energética empresarial que, por alguma razão, ainda não foram implementados. As empresas interessadas devem cadastrar suas propostas no site edp.com.br/piee até o dia 30 de julho.

Após avaliar a viabilidade técnica e econômica das propostas, a EDP realizará o investimento necessário para a implantação das medidas. O aporte mínimo será de R$ 300 mil por projeto, considerando todos os gastos, como plano de engenharia, instalações, gestão e equipamentos. Os projetos deverão ser implementados no prazo máximo de 12 meses após a assinatura do contrato. Só após a conclusão desse trabalho a empresa beneficiada realizará pagamentos mensais fixos pelo serviço prestado.

Caso as empresas candidatas não tenham um projeto consolidado, o PIEE disponibiliza em seu site um check list para identificar a melhor solução de eficiência com base nas informações enviadas. Além disso, consultores e empresas de engenharia que possuam projetos mapeados também poderão submetê-los em nome de seus clientes.

No Ceará, a EDP é responsável pela UTE Pecém I, sediada no município de São Gonçalo do Amarante. Em operação desde 2012, a Usina gera 370 empregos diretos e 1.053 empregos indiretos. A atividade da termelétrica foi responsável pela transformação do Ceará de estado importador em exportador da energia elétrica.

“Esta é mais uma oportunidade que a EDP oferece para que as empresas de médio e grande porte possam tornar seu consumo de energia mais eficiente e sustentável”, afirma o vice-presidente de Novos Negócios da Companhia, Carlos Andrade. “Para os clientes, é uma possibilidade de reduzir seus custos e modernizar sua infraestrutura sem ter que fazer grandes investimentos iniciais”.

A EDP Soluções em Energia é responsável pelo desenvolvimento de negócios e serviços integrados de energia para clientes do segmento comercial – com projetos de eficiência energética em iluminação e ar condicionado –, e da indústria – com projetos de geração de vapor com biomassa e centrais de utilidades. Em 2017, foram realizados 23 projetos de eficiência energética, que contribuíram para a economia de 51,85 GWh nos clientes, além de evitar a emissão de 30.457 toneladas de CO2 e gases de efeito estufa.

A rede atacadista Makro, por exemplo, encontrou em um projeto apresentado pela EDP a solução para reduzir sua conta de luz e se tornar ainda mais sustentável. Com o investimento de R$ 60 milhões para a substituição do sistema de iluminação antigo por LED nas áreas internas e externas de 69 lojas espalhadas por 24 estados do Brasil, foi possível diminuir o consumo de energia em iluminação em até 55% ou 17,5 mil megawatts-hora (MWh) – o equivalente ao consumo médio de 7,3 mil famílias. Após a implantação do projeto, mais de 1.431 toneladas de gás carbônico deixaram de ser lançadas na atmosfera.

Já a modernização do sistema de climatização, com automação dos chillers e motobombas, do complexo hoteleiro Costa do Sauípe, na Bahia, permitiu poupar 2.965 MWh ao ano, cerca de 34% mais do que a economia projetada.

Sobre a EDP no Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia, e possui 15 unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica. Em Distribuição, atende cerca de 3,4 milhões de clientes em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, adquiriu participação na CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 12 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3. Possui valor de mercado de cerca R$ 8 bilhões, quase três vezes mais do que em 2005, quando abriu seu capital em bolsa.